Skip to main content

Estudantes do Colégio Sigma exercitam a capacidade crítica e diplomática durante a 20ª edição do Sigma-Múndi

By 23 de julho de 2021Blog, Sigma

O mercado de trabalho foi extremamente impactado pela pandemia do coronavírus. Assim, especialistas acreditam que certas habilidades que já eram requisito passarão a ser ainda mais necessárias. A capacidade de se comunicar, de trabalhar em equipe e de ser transparente estão entre elas. Considerando esse contexto, sempre com o objetivo de oferecer a melhor formação acadêmica e pessoal para os alunos, o Colégio Sigma procura treinar e construir essas aptidões ainda na escola. Nessa linha, o projeto Sigma-Múndi, que chegou a sua 20ª edição, incentiva os jovens a debaterem assuntos além do que acontece diariamente em sala de aula e consolidou-se como um dos maiores destaques dessas ações de preparação. Praticando também a competência de trabalhar em ambiente virtual, comportamento imposto pela pandemia, a edição deste ano ocorreu de forma híbrida.

 

O projeto ocorreu entre os dias 20 e 22 de maio e reuniu alunos do 9º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais e Ensino Médio de todas as unidades da escola. Como uma forma de garantir a segurança dos estudantes, os grupos de debates presenciais ocorreram com a capacidade reduzida, mantendo distanciamento entre os participantes. E os estudantes que optaram por continuar no ensino remoto também fizeram parte dos comitês em sessões online.

 

A abertura do evento contou com a participação de diretores, professores, ex-alunos e também do ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Néfi Cordeiro. O jurista falou para os estudantes sobre o Direito e a sua importância para construção de um futuro melhor. “Vocês, jovens, farão mudanças significativas na nossa sociedade. Vocês, como cidadãos, podem mudar o destino do todo, do coletivo”, afirmou.

 

Natália Rocha, Diretora Pedagógica da Regional Centro-Oeste da Saber Educação, aponta que a 20ª edição do Sigma-Múndi é um marco para o Sigma. “O projeto acontece há 20 anos e ainda é atual e relevante para a comunidade escolar”, afirma. “É gratificante ver a nossa escola se reinventando e dando continuidade a um de seus projetos mais significativos, mesmo durante esse período que estamos vivendo”, aponta.

 

Para Gustavo Fassheber, aluno da 3ª série do Ensino Médio da unidade da 912 Sul, a edição de 2021 superou todas as expectativas. “Acredito que foi graças aos esforços dos diretores, professores e de todos os organizadores. Nós conseguimos fazer um evento muito bom e com muitos debates”, afirma. Apesar de ainda não saber o que irá cursar na universidade, o jovem acredita que o Sigma-Múndi irá ajudá-lo em qualquer carreira que seguir. “O projeto oferece uma grande bagagem de repertório cultural e de conhecimento, além de nos proporcionar um treinamento de oratória”, aponta. “E essa habilidade será importante em qualquer área no futuro”. O estudante participou do Comitê de Crise que abordou a crise do neoliberalismo e protestos sociais no Chile.

Paulo Macedo, coordenador do projeto, explicou que o Sigma-Múndi almeja auxiliar na construção de argumentos e sustentações orais, uma vez que os alunos pesquisam sobre política, economia e relações internacionais e participam de debates envolvendo as temáticas selecionadas. Além disso, o professor pontua que o objetivo é justamente auxiliar na formação do aluno, estimulando que ele desenvolva a capacidade de diálogo. “Mesmo com o findar no Ensino Médio, durante a faculdade e até no mercado de trabalho, eles estarão sempre enfrentando este desafio de negociar, buscar caminhos para resolução de problemas. E este é o objetivo: incentivar o debate para a formação de um cidadão mais preparado”, afirma.

 

Os alunos selecionaram os temas de maior interesse, prepararam suas pesquisas e simularam as discussões como se fizessem parte de órgãos nacionais e internacionais como Câmara dos Deputados, Senado Federal, Nações Unidas e alguns de seus órgãos, entre outros. Por esse motivo, as discussões abordaram as mais diversas temáticas, nos mais diversos setores, como saúde, política, economia, meio ambiente, história e relações internacionais.

 

Alguns dos temas que foram debatidos nos comitês são: a Crise Política na América Latina, Doenças causadas pelo Aedes Aegypti, Políticas Públicas de Saúde para a População LGBTQI+, Crise do Neoliberalismo e Protestos Sociais no Chile, Trabalho Informal, Condições de Trabalho e Crianças Migrantes, dentre outros. Além das duas delegações históricas que abordaram o Tratado de Versalhes e o Tribunal de Nuremberg.