Skip to main content

Professoras preparam exposição de atividades de Língua Portuguesa com alunos do 6° ano para incentivo a leitura

A atividade foi desenvolvida como revisão para a prova e envolvia leitura, debate e trabalho em grupo, além da apresentação do resultado final para todos os colegas de classe

Um dos grandes desafios dos professores da educação básica é ensinar a leitura para os alunos. Ensinar não somente a decifrar códigos e criar significados, como também desenvolver o hábito de ler. Seja por prazer, para estudar ou para adquirir informações, a prática regular aprimora o vocabulário e dinamiza o raciocínio e a interpretação, amplia as capacidades cognitivas para compreensão de ideias e organização de linhas coerentes de pensamento, enriquece o vocabulário, constituindo também uma visão crítica e capacidade de argumentação. Para lapidar essa habilidade e incentivar o costume de leitura, o Colégio Sigma promove diversas atividades em sala de aula com alunos de todos os segmentos, aperfeiçoando consequentemente, a escrita e a oratória dos jovens. 

No primeiro trimestre deste ano, as professoras de Língua Portuguesa da escola, Angélica dos Anjos, Polyana Mayrinck e Paula Cavalcante desenvolveram com os estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais um mural com trabalhos elaborados sobre a obra literária “A Guerra do Lanche”, de Lourenço Cazarré. “O livro foi trabalhado durante as aulas e fazia parte dos conteúdos programáticos para a prova. Por isso, eu pensei nesta atividade como uma forma de  revisarmos o enredo para o teste. Após a leitura e a realização de alguns exercícios, as turmas foram divididas em pequenos grupos para selecionar o que considerassem importante na narrativa. Em uma folha A4, eles representaram o trecho escolhido, usando a linguagem não-verbal. Após a finalização da tarefa, eu preparei a exposição das tarefas de maneira lúdica. Com isso, todos tiveram acesso a tudo que foi desenvolvido pelos colegas e puderam relembrar os detalhes do texto”, explica Angélica. 

Anjos acredita que o aluno precisa entender que a leitura é fundamental para o desenvolvimento acadêmico e que essa compreensão só ocorre a partir da prática. “É muito importante que possamos ler, analisar e trabalhar uma obra de diferentes maneiras e interpretações. Fazer isso transcendendo o caderno e o quadro, de maneira lúdica, permite a externalização da imaginação, aliada ao compartilhamento dos conhecimentos adquiridos. Além disso, por meio de atividades em grupo, os estudantes trocam conhecimento e experiências com mais prazer e autonomia. Quando os trabalhos são expostos e elogiados, surge um sentimento de orgulho e valorização, além da vontade de sempre progredir”, defende Angélica.