Skip to main content

Projeto Peppa Pig promove aulas de anatomia para estudantes do Ensino Médio

A anatomia é um ramo que estuda toda a estrutura do corpo humano, onde é possível compreender como todo o organismo funciona. O conhecimento aprofundado permite que os profissionais da saúde saibam identificar as estruturas nas mais variadas situações. Como uma forma de preparar os jovens do Ensino Médio, que têm interesse nas áreas biológicas e biomédicas, o Colégio Sigma oferece o Projeto Peppa Pig. A iniciativa promove aulas de anatomia, onde vísceras de suínos são estudadas, dissecadas e analisadas macroscópicamente e microscópicamente dentro do laboratório de Biologia de cada unidade da escola.

O projeto tem como objetivo trabalhar os conteúdos teóricos que são abordados em sala de aula e aplicá-los, visualizá-los, aprofundá-los, de modo que aqueles estudantes que já tem uma predisposição para as ciências biológicas e biomédicas concretizem essa escolha e aqueles que têm dúvidas conheçam mais e possam ter mais dados para fazer escolhas mais assertivas de nível superior.

Alessandro Reis, professor de Biologia, conta que com o Projeto Peppa Pig os estudantes têm a oportunidade de ter uma vivência laboratorial completa. “Eles têm contato com material fresco, para constatarem textura e coloração dos órgãos in natura, e tem toda a liberdade de fotografar e fazer os devidos registros ao longo dos encontros. Além disso, eles também conhecem e utilizam instrumentos cirúrgicos, como bisturis e pinças”, aponta. “E com as dissecações e com o conhecimento adquirido nas aulas, eles podem se aprofundar ainda mais na anatomia e fisiologia humana aplicada”, afirma

O professor também aponta que o projeto é voltado apenas para os estudantes da 3ª série do Ensino Médio. “A iniciativa visa solidificar as escolhas e permitir vivências para escolhas mais assertivas, então esse aluno precisa ter um arcabouço acadêmico mais robusto. E, ao final do Ensino Médio, esse jovem tem uma estrutura de conhecimentos biológicos muito mais madura para que possamos aplicar em sala de aula”, diz Alessandro. “No término das aulas práticas, que ocorrem ao longo do ano, é feita uma prova prática, dentro dos moldes das avaliações realizadas nos cursos que possuem a disciplina em seu currículo”.

Ao longo dos 10 anos do projeto, que foi criado pelo professor de Biologia Yuri Gagarin, o feedback entre os estudantes tem sido positivo. “As avaliações realizadas mostram que o nosso índice de satisfação ultrapassa os 95%. Além disso, a nossa taxa de abandono é muito pequena e só entre aos alunos que percebem que não tem afinidade com as áreas biológicas ou biomédicas”, finaliza.